jusbrasil.com.br
19 de Março de 2019

Thays, 18, passa na OAB: o rei está nu! Fracassamos!

Consultor Jurídico
Publicado por Consultor Jurídico
há 5 anos

As redes sociais pululam. Thays, 18 anos, estudante do segundo período de direito em Rondônia, passou no exame da OAB. Poderia, pois, ser advogada sem ter concluído o curso. Ela não trabalha como estagiária, não tem família jurídica. O mais próximo que ela está do direito é uma tia que trabalha na Justiça e um primo causídico. Não estudou processo, não estudou filosofia, não estudou processo civil, processo penal, direito penal... Mas passou.

Ela estudou para a prova durante três meses, segundo disse na entrevista ( ler aqui). Sua metodologia: leu as questões das provas anteriores, leu o Estatuto da OAB e o Código de Ética, porque sabia que para acertar todas as questões de Deontologia Jurídica era essencial. Diz mais: A primeira fase se resumiu em fazer vários exercícios, mesmo aprendendo sobre aquele conteúdo com o gabarito das questões. Já para a 2ª fase estudei um livro de Constitucional para concursos pois a linguagem era mais direta e rápida, tendo que adotar tal doutrina por ter pouco tempo para muito conteúdo. Li também um livro com as peças prático-profissionais resolvidas, já que eu não conhecia e nem sabia como era uma peça. A partir daí passei a resolver todas as provas em casa para não errar no dia.

Bom, as matérias que ela teve contato na faculdade foram Deontologia Jurídica, Direito Constitucional e Direitos Humanos. O restante, ela aprendeu lendo os manuais representados pela literatura que se usa por aí. Na segunda fase ela escolheu Constitucional. Pronto. Passou. Tirou 4,4 de 5,0. O segredo dela, segundo suas palavras: usou material de ótima qualidade.

Fim do ato. Fecham-se as cortinas. Vou para o meu bunker.

Os concursos e os quiz shows

Tenho denunciado o fracasso do modelo de concursos públicos e prova da OAB de há muito. Ao mesmo tempo em que Thays passa depois de ter cursado apenas uma pequena parte do curso de direito, mais de 50% chumbam nesse exame. Os concursos públicos aferem apenas informações. Decorebas. Thays e não quero tirar o mérito dela (meus sinceros parabéns para ela) é o exemplo de que basta treinar. Não é necessário estudar no sentido de refletir. É necessário tão-somente fazer um bom adestramento.

Vamos todos...

Ver notícia na íntegra em Consultor Jurídico

59 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

qq um q estude para um concurso que demande mais de 3 neurônios sequer usa as questões da OAB como base... pq? pq são faceis demais...
Parabéns a menina, apesar do exagero na reportagem... continuar lendo

A reportagem é falaciosa, usa uma menina que para bom entendedor é muito acima da média (gênio), é autodidata, e assim não serve de parâmetro para avaliar o exame. Se o missivista quer ter uma noção melhor ele que inscreva pelo menos cem estudantes de direito que cursem o segundo ano, escolhidos aleatoriamente, e nos apresente os resultados, se pelo menos 51 passarem eu concordo com as alegações inseridas na reportagem. continuar lendo

Trata-se de informação desencontrada e, no mínimo, falaciosa e imoral, a qual parece ter um único objetivo: tentar criar uma situação de fragilidade nos modelos de avaliação hoje existentes.
Na matéria acima não se vê o nome completo da pseudo aprovada; número de inscrição no exame; a faculdade em que está matriculada; rotina de estudo; etc.
Se a matéria quer ser levada a sério por pessoas sérias, deve provar o que alega e não apenas ficar no anonimato criando clima de fragilidade das avaliações sérias que hoje são aplicadas. continuar lendo

Boa tarde!
Sem adentrar ao mérito da discussão informo que o assunto foi levado a público por meio de comunicação idôneo, logo suponho (só suponho) que seja verdade. Veja em http://redeglobo.globo.com/redeamazonica/tv-rondonia/noticia/2014/03/rondonia-tv-estudante-do-2-periodo-de-direito-passa-em-exame-da-oab.html continuar lendo

Perfeito comentário. Concordo plenamente. continuar lendo

Tem vídeo na Net, parece ser verdadeira a informação. Eu vi
o vídeo. continuar lendo

A única coisa que se tira de concreto daí é que a moça é muito inteligente e que o exame não é esse bicho de sete cabeças todo. continuar lendo

Além de verdadeira a informação, a crítica do Prof. Lenio Streck é super pertinente.
Creio ser impossível não se filiar ao entendimento dele. Se você não concorda, fico curioso e indago: Que elementos levam a concluir de maneira diversa? Abs!! continuar lendo

"I - Relação dos examinandos aprovados no XII Exame de Ordem Unificado, na seguinte ordem: seccional, cidade de inscrição, número de inscrição e nome do examinando em ordem alfabética.
[...]
21.3. Porto Velho/RO
[...]
'382066643, Thays Castro Guimaraes'"
(http://img-oab.fgv.br/382/20140325092814-Resultado_Definitivo_2_fase_Geral.pdf)

O que a garota conseguiu concretizar nada mais foi que uma excelente demonstração empírica de como o Exame de Ordem vem seguindo a mesma linha de concursos públicos em geral; ou seja, para se obter aprovação, basta adestrar-se à linha de cobrança dos conteúdos preferidos pela Banca, preparar-se física e psicologicamente e treinar à exaustão, ou melhor, decorar à exaustão. continuar lendo

Diego, acredito que o autor do texto não se preocupou em indicar número de inscrição, nome completo da garota etc. porque a notícia foi tão divulgada que parece notória e, portanto, desnecessária de comprovação nesse sentido. O texto é extremamente claro e revela a fragilidade do Direito Brasileiro que, atualmente, se assemelha mais a uma forma de lucrar no país do que de defender de fato os interesses jurídicos dos cidadãos.
Caso queira conferir a matéria, segue o link do blog "Portal Exame de Ordem":
http://blog.portalexamedeordem.com.br/blog/2014/03/estudante-de-direito-de-apenas-18-anos-ainda-no-2o-semestre-da-faculdade-consegueaaprovacao-no-exame-de-ordem/ continuar lendo

Parabéns Marçal. Nem preciso comentar. Vc já o fez por mim. continuar lendo

Se verdadeira a informação, o que é muito possível, demonstrou o que todo mundo já sabia, mas muitos não queriam admitir. Para aprender basta estudar. Para fazer prova de concurso, basta aprender o que se pede no concurso. A prova da OAB atualmente não é nada mais que uma prova de concurso. Se, de um lado, comprova que não é um bom Curso de Direito que faz o bacharel, mas o empenho do aluno em aproveitar os ensinamentos ditados pelos professores e aqueles já formalizados em livros e estudar, estudar, estudar..., por outro lado não exemplifica nenhuma regra ou pode chegar a ameaçar a existência da prova da OAB. Pessoas com a capacidade da protagonista desta história há muitas. Mas não são a maioria. Os resultados da prova da OAB já vêm demonstrando isto. continuar lendo

parabéns !!!!! Estudar é o caminho. continuar lendo

Se a notícia for verdadeira, é mais uma prova de que quem fica reprovado no Exame de Ordem não merece ser advogado e teve uma formação acadêmica de péssima qualidade. continuar lendo