jusbrasil.com.br
7 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    Parente de chefe do Executivo não pode se candidatar

    Consultor Jurídico
    Publicado por Consultor Jurídico
    há 16 anos

    Parente em até segundo grau de chefe do Poder Executivo, que já não esteja exercendo mandato, não pode se candidatar a qualquer cargo eletivo. O entendimento do Tribunal Superior Eleitoral foi firmado em resposta a consulta feita pelo senador Jefferson Peres (PDT-AM). E vale mesmo se o governador ou prefeito se desincompatibilizar do cargo seis meses antes das eleições.

    Por quatro votos a três, os ministros entenderam que parente de governador ou prefeito pode concorrer à reeleição ao cargo para o qual já ocupa, mas não pode disputar novo cargo. A tese é a de que quem já exerce mandato eletivo não pode ser prejudicado pelo fato de seu familiar ser chefe do Poder Executivo. Por outro lado, quem ainda não ocupa cargo eletivo não pode vir a ser beneficiado pelo fato de a máquina administrativa estar nas mãos de um parente.

    Foram vencidos no julgamento os ministros Caputos Bastos (relator), César Asfor Rocha e Marco Aurélio, para quem caberia ao eleitor decidir por meio do voto quem será seu governante.

    No período de oito anos, que é a soma do mandato mais uma reeleição, nenhum parente do governante pode ser candidato a cargo eletivo na mesma jurisdição. A única exceção é para parente que já detém mandato e queira concorrer à reeleição. Ou seja, o ex-governador Garotinho não pode suceder a sua mulher, Rosinha, no governo do Rio de Janeiro, mas pode concorrer à Presidência da República.

    A decisão interpretou o parágrafo 7º do artigo 14 da Constituição Federal: “São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o cônjuge e os parentes consangüíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de manda...

    Ver notícia na íntegra em Consultor Jurídico

    Informações relacionadas

    Willer Sousa Advogados, Advogado
    Artigoshá 2 anos

    “Quero me candidatar, mas tenho parentes na política” Só o que você precisa saber sobre inelegibilidade reflexa

    Tribunal Superior Eleitoral
    Notíciashá 14 anos

    TSE esclarece que esposa de prefeito só pode ser candidata a vice-prefeita se o marido deixar o cargo seis meses antes das eleições

    Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
    Notíciashá 11 anos

    O que se entende por inelegibilidade relativa reflexa? - Denise Cristina Mantovani Cera

    Tribunal Superior Eleitoral
    Notíciashá 14 anos

    Irmão de prefeito pode se candidatar desde que titular deixe o cargo seis meses antes

    Davi Araújo, Advogado
    Artigoshá 7 anos

    Controle de constitucionalidade

    6 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    E se o parente até o 2º grau de um Governador quiser ser candidato a deputado federal ou a Presidente da República? continuar lendo

    O prefeito da minha cidade, está em seu último mandato, e está apoiando seu sobrinho. Eu gostaria de saber se ele pode continuar no poder colocando o sobrinho como laranja? continuar lendo

    Pode, pois sobrinho não é parente de 2 Grau, e sim de 3 grau, então pode! continuar lendo

    O prefeito de Maués-Am foi reeleito e tem como vice prefeito, seu tio, irmão de sua mãe que até então, não tinha nenhum cargo político. Pode? continuar lendo

    E se o cônjuge de um Governador quiser se candidatar a uma vaga na Assembléia Legislativa de outro Estado. É possível? continuar lendo

    Sim, pois NÃO está no TERRITÓRIO DE JURISDIÇÃO DO TITULAR (o governador), onde é vedada a elegibilidade de cônjuge, parentes, consanguíneos ou afins, até 2º grau ou por adoção, em razão da inelegibilidade reflexa. Art 14, § 7ª, CF. continuar lendo